segunda-feira, 24 de abril de 2017

Nova Era (MG) – Retratando cena da Paixão de Cristo, obra do século 18 será restaurada


Prefeitura de Nova Era autoriza recuperação do quadro Nosso Senhor Morto com Nossa Senhora da Piedade. Obra, do século 18, é uma das joias do museu municipal.


Foto: Ramon Nunes/Prefeitura de Nova Era/Divulgação

Moradores e visitantes que chegam ao Museu Municipal de Arte e História de Nova Era, na Região Central, não se cansam de admirar o quadro (óleo sobre tela) Nosso Senhor Morto com Nossa Senhora da Piedade, tesouro do século 18 que pertenceu à antiga ermida da sede da sesmaria do Ribeirão das Cobras, atual Fazenda da Barra do Prata. O tempo, no entanto, causou danos à pintura e, para evitar maiores estragos, a prefeitura local vai mandar restaurar a obra, de autoria desconhecida, inventariada pelo município. “Já houve um restauro há muitos anos, mas é necessário fazer a conservação, pois se trata de uma das obras mais importantes do nosso acervo”, informa Albany Júnior Dias, funcionário do Departamento de Cultura da prefeitura.

A escolha da empresa que fará o serviço foi feita por meio de licitação, na semana passada, e o trabalho deverá começar ainda este mês. “Tão logo seja concluído o restauro, por especialistas de São João del-Rei (Campo das Vertentes), vamos mudar a localização do quadro no museu. Na sala de entrada, onde ele ficava, bate muito sol e isso prejudica a pintura”, diz Albany. “Como o museu fica ao lado da Igreja de São José, muitos turistas aproveitam para vir aqui conhecer um pouco mais da história de Nova Era, que surgiu no tempo dos bandeirantes e se chamava primitivamente São José da Lagoa”, acrescenta.

Com dois metros de comprimento, 1,24m de largura e 5cm de profundidade, o quadro Nosso Senhor Morto com Nossa Senhora da Piedade retrata uma cena da Paixão de Cristo muito representada na iconografia cristã. De acordo com o inventário de proteção ao acervo cultural de Nova Era, a tela se encontra presa numa moldura, com fundo em painel de madeira, numa espécie de caixilho. O documento explica que “em primeiro plano, é representado o corpo de Jesus Cristo, deitado sobre uma espécie de plataforma retangular, com a cabeça voltada para a extremidade esquerda da tela e os pés voltados para a extremidade direita”. E mais: “Cristo é representado na figura de um homem de meia- idade, deitado, com o tronco e a cabeça levemente voltados para a frente. Cristo tem os ossos do rosto e do tronco proeminentes”.

Conservação. Ainda conforme o inventário, a peça foi restaurada na década de 1970 pelo especialista Jair Afonso Ávila (1932-1982), na Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop). “Na ocasião, de acordo com o depoimento de Elvécio Eustáquio da Silva, artista e artesão local que acompanhou o processo, a obra foi reentelada com a técnica de cera de Plenderlith (composto de cera de abelha, parafina, resina de damar e terebentina de Veneza criado por um conservador britânico que emprestou seu nome ao produto).

Na análise do estado de conservação, os técnicos encarregados do inventário informaram que o quadro demanda restauração urgente “para que o processo de degradação não culmine com a perda da obra”. A explicação é de que “a tela que serve de suporte se encontra acidificada, quebradiça e apodrecida”.

Arte e história

O Museu de Arte e História de Nova Era, localizado a 130 quilômetros de Belo Horizonte, foi criado no fim da década de 1960 a partir do movimento de pessoas da comunidade interessadas em destacar a importância do bens culturais que contam a história do município. O quadro Nosso Senhor Morto com Nossa Senhora da Piedade, que será agora restaurado, foi doado na época por Maria Perpétua Guerra Lage. Nos anos 1970, o óleo sobre tela ficou armazenado num local abandonado da Fazenda da Barra do Prata, no município, e constatado que a obra estava acidificada, ressecada, com buracos e sujidades diversas acumuladas durante muitos anos. Foi então que a Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop) fez o primeiro restauro, sendo o quadro encaminhado ao museu, onde está até hoje.

Por Gustavo Werneck

Fonte original da notícia: Estado de Minas
Fonte: Defender

Curso: A Igreja na Idade Média


A IGREJA NA IDADE MÉDIA: DO SÉCULO XII AO XV

Data: 10, 17, 24 e 31 de maio de 2017, sempre às quartas-feiras, das 19h às 21h.


Ementa: Promover a compreensão do itinerário eclesial no período medieval, especificamente do século XII ao XV. Estimular o interesse pelo processo de consolidação da Igreja no Ocidente através de suas relações com as várias instâncias de poder político, econômico e social, em conflito e interação, e as soluções propostas a partir da reflexão teólogica, filosófica e pastoral.

Programa:
– A Reforma Gregoriana: A Questão das “Investiduras Leigas”.
– Reformas na Vida Religiosa: Cistercienses, Premonstratenses, Cartuchos; da Contestação à Heresia: Cátaros e Valdenses; As Cruzadas; A Inquisição; Mendicantes: Dominicanos e Franciscanos.
– Teologia Escolástica; Universidades; Inocêncio III (1198-1216); Bonifácio VIII e Felipe IV, o Belo; O exílio de Avinhão (1309-1377): “Cativeiro Babilônico da Igreja”.
– O Cisma na Igreja: desdobramentos e desfechos; a “devoção moderna”; Galicanismo; Renascimento – Humanismo; De Tempos Medievais para Tempos Modernos.

Professor: Frei Sandro Roberto da Costa, ofm, é doutor em História da Igreja pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. Atualmente leciona no Instituto Teológico Franciscano, em Petrópolis, no Rio de Janeiro.

Carga Horária: 8 horas/aula, com certificado para o aluno que frequentar 75% das aulas dadas.

Local: Rua Bambina, 115, em Botafogo. Próximo à estação do Metrô de Botafogo (saída pela rua São Clemente). Há estacionamento no local.

Investimento: R$ 170.

INSCREVA-SE AQUI.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

terça-feira, 18 de abril de 2017

São Miguel

À Venda







Imagem de São Miguel com lança 

60 cm de altura em resina
R$ 600,00
PRONTA ENTREGA

Informações: rodolfokhristianos@gmail.com

segunda-feira, 17 de abril de 2017

As 6 imagens mais antigas de Nosso Senhor Jesus Cristo


Wikipédia Domínio Público


O Santo Sudário de Turim é o manto que segundo a tradição e dezenas de provas científicas envolveu o corpo morto do Senhor Jesus. O mesmo leva a imagem detalhada de frente e costas de um homem que foi crucificado da mesma forma que Jesus de Nazaré tal como descrevem as Escrituras. Esta é a imagem mais antiga de Jesus que se tem notícia, porém somente em 1898 se pôde contemplar pela primeira vez sua imagem em negativo no revés de uma placa fotográfica. Embora a Bíblia não dê uma descrição detalhada do aspecto físico de Jesus, desde os primeiros séculos foram feitas imagens de Cristo. Estas são seis das mais antigas que se conservam de Jesus.

1. Grafite de Alexamenos (Séculos I ao III)
Domínio Público

Esta é a representação de Jesus (embora, em tom de burla) mais antiga que existe? É uma pergunta que ainda paira sobre o grafite de Alexámenos. A imagem está esculpida em gesso em uma parede em Roma que data entre os séculos I e III. Representa um homem diante de uma pessoa com cabeça de burro que está sendo crucificado, com a inscrição: “Alexámenos adora a Deus”. Acredita-se que com este grafite caçoavam da fé de um cristão de nome Alexámenos.

O grafite foi encontrado em um muro no monte Palatino, em Roma. É considerado como a primeira representação pictórica conhecida da crucificação de Jesus. Atualmente se conserva no Museu Antiquarium Forense e Antiquarium Palatino de Roma e para alguns se trata da blasfêmia mais antiga da história.

2. O Bom Pastor (Século III)
Wikipédia

A imagem “O Bom Pastor” encontra-se nas catacumbas de São Calixto em Roma e acredita-se que foi pintada ao redor do século III.

3. A adoração dos Magos (Século III)
Giovanni Dall’Orto / Wikimedia Commons

Esta é uma imagem de uma peça de um sarcófago encontrado nos museus Vaticanos. Mostra a cena dos magos adorando o menino Jesus e data do século III.

4. A cura do paralítico (Século III)
Domínio Público / Wikimedia Commons

Esta pintura está na parede do batistério de uma igreja antiga (abandonada por muito tempo) na Síria. Representa a história da cura do paralítico que se narra no capítulo 2 do Evangelho de São Marcos, e data de meados do século III.

5. Cristo entre Pedro e Paulo (Século IV)
Domínio Público / Wikimedia CommonsDomínio Público / Wikimedia Commons

Esta imagem aparece no cemitério de uma vila imperial que pertencia a Constantino e data do século IV.

6. Pantokrator (Século VI)
Domínio Público / Wikimedia Commons

Este é o ícone mais antigo de Jesus e se encontra no Monastério de Santa Catarina no Monte Sinai.

Fonte: Church Pop

terça-feira, 11 de abril de 2017

Nossa Senhora das Dores (Modelo 2)


À Venda



detalhe da peça, coração encaixado

Nossa Senhora das Dores (Modelo 2)
65 cm de altura - gesso
R$ 300,00
Pronta entrega

Informações: rodolfokhristianos@gmail.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...