segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Festa de São Brás






Indicação do Amigo: Leandro

***

Conheça um pouco a história da Matriz Paroquial Bom Jesus





A atual Av. Rangel Pestana era chamada de “Caminho da Penha”ou “Rua do Brás”, em 1765. A história do bairro do Brás se identifica com os primórdios da Igreja Bom Jesus. 

Ao português José Brás é atribuído o nome. Havia um ponto de passagem obrigatória para Penha de França, onde o português José Brás teria erguido, em 1769, uma capela, onde atualmente está o Colégio Romão Pulggari, em honra a Bom Jesus do Matosinhos, cuja devoção já estava em voga na época. Não há dúvida que a devoção ao Bom Jesus, no Brás, se deve a piedade e zelo do Sr. José Brás que teve a iniciativa de construir a capelinha, mais tarde foi substituída por uma Igreja, em 1803, elevada à categoria de paróquia aos 8 de junho de 1818, por sua Magestade El Rei Dom João VI.

O lançamento da pedra fundamental da atual Matriz do São Bom Jesus do Brás se deu em 1896 pelo Bispo de São Paulo, Dom Joaquim Arcoverde de Albuquerque Cavalcante, e a solene inauguração em 1º de janeiro de 1903, por Dom Antonio Candido de Alvarenga.

sábado, 28 de janeiro de 2017

Museus Vaticanos irão restaurar obras de arte danificadas por terremotos





Fachada da Basílica de São Bento, Norcia, após terremotos - ANSA

Spoleto (RV) - Os Museus Vaticanos irão restaurar gratuitamente algumas obras de arte da Arquidiocese de Spoleto-Norcia danificadas pelos terremotos que abalaram, desde 24 agosto passado, a região central da Itália.

O anúncio foi feito pela Diretora dos Museus Vaticanos, Barbara Jatta, nesta quarta-feira (25/01), durante sua visita a Spoleto, ao depósito do Ministério dos Bens Culturais onde se encontram as obras de arte que foram retiradas de várias igrejas e museus das áreas afetadas pelos terremotos.

A nova diretora foi acolhida pela Superintendente de Arqueologia, Belas Artes e Paisagem da Úmbria, Marica Mercalli, e pelo Arcebispo de Spoleto-Norcia, Dom Renato Boccardo.

Eles escolheram juntos oito obras dentre as quais a cúpula com a Cruz da Basílica de São Bento e o crucifixo da igreja de Castelluccio, que uma vez restaurados farão parte da exposição em Rocca Albornoziana de Spoleto, uma mostra com outras obras de arte que foram danificadas pelos terremotos e foram restauradas pelo Instituto central de Roma e pelo Instituto autônomo de Florença. Esta exposição é um grande sinal de esperança: Junto com as pessoas que gradualmente estão procurando voltar a uma vida normal, renascem também os tesouros da fé.

“Essas obras voltarão para as igrejas assim que os templos forem reconstruídos ou restaurados e colocados em segurança. Ninguém quer que essas obras preciosas da fé e da arte permaneçam fechadas num depósito”, disse Dom Boccardo.

As oito obras escolhidas serão transferidas para o Vaticano no início de fevereiro, exceto a cúpula da Basílica de São Bento que já se encontra no Estado Pontifício. Ficou exposta junto ao presépio, na Praça São Pedro, durante o tempo de Natal.

Dom Boccardo agradeceu mais uma vez ao Papa Francisco e ao Presidente do Governatorato do Estado da Cidade do Vaticano, Cardeal Giuseppe Bertello, que autorizaram os Museus Vaticanos a realizar este grande trabalho.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Cristo de Bergara já está em Sevilha

Bem protegido, a obra-prima de Juan de mesa foi transferida para ser restaurada e, em seguida, exposta

REPORTAGEM E FOTOGRAFIA ANABEL DOMÍNGUEZ





Trabalhadores da galeria de arte Garduño tiram cuidadosamente o Cristo do retábulo.







Praticamente todos os cuidados e mimos que uma obra de suas características merece, o Cristo da Agonia de Bergara partiu para Sevilla. A bela peça do  escultor barroco Juan de Mesa esculpida em 1622 percorreu os 860 km entre a cidade mahonera de Sevilha, para passar pela primeira vez sob um restauro, e depois de estrelar a exposição que será realizada na igreja do Santo Anjo do convento das Carmelitas descalças. Nesta exposição, que está prevista para março, mas que "poderia ser adiada um pouco", dependendo de como o trabalho de restauração da imagem é desenvolvido, outras duas grandes imagens de Andaluzia também serão apresentadas: o Cristo de Juan Martinez Montanes, professor de Mesa e, por sua vez, estudante de Pablo de Rojas, que é o autor do Crucificado do Seminário Maior de Granada, a terceira jóia que pode ser contemplada.

O retirar o Cristo, do retábulo em que se encontrava na paróquia de São Pedro começou às 8h30. Cinco agentes da galeria de arte profissional Garduño laçaram cuidadosamente a imagem do século XVII, com seus 2,10 metros de altura e 110 quilos, colocado, montado em sua cruz na caixa de madeira construída especificamente para o transporte à Andaluzia . "É uma placa à prova de fogo e impermeável, térmica acolchoada para evitar mudanças bruscas de temperatura na peça. Vai perfeitamente seguro e embrulhado em papel de seda que impede qualquer tipo de adesão e atrito", detalhou o responsável pela disse galeria, Luis Garduño, enquanto admirava o trabalho que ele tinha diante de seus olhos. "É magnífico", acrescentou.

A caixa especial concebida como uma cruz na qual Cristo viajou tinha quatro metros de comprimento, 2,10 de largura. Seguindo o protocolo, o rosto do Crucificado é coberto sob a supervisão do patrimônio responsável da Diocese, Koldo Apeztegi, que agora se desloca para Sevilla para confirmar que a imagem chegará a capital; é a única que tem a sua residência no templo bergara (vai estar em sua presença quando a embalagem for aberta).

Um trabalho como o Cristo da Agonia, considerado o ápice da trajetória de Juan de Mesa é um dos melhores crucificados do barroco, partiu para sua aventura andaluza protegido por um seguro especial. Ele não quis revelar o valor, mas porque é uma exposição organizada por uma ordem religiosa, neste caso, os Carmelitas descalços, os números não chegam ao que poderia envolver um empréstimo para qualquer museu. Ambos Apeztegi como o pároco de São Pedro, Jon Molina, ficaram "contentes" com a oportunidade proporcionada pelos Carmelitas para restaurar a peça sem nenhum custo para a paróquia, que de outra forma, dado o seu grande valor, teria implicado um esforço significativo.

Pretende-se devolver o brilho ao tamanho imponente, retirando enegrecido por causa da fumaça, especialmente no rosto, como um resultado de um incêndio que sofreu a capela. isso será realizado no Instituto Andaluz do Patrimônio Histórico, onde também servirá para dar um tratamento contra parasitas.
A paróquia bergararra, enquanto isso, quer aproveitar esta oportunidade para restaurar o retábulo e limpar a capela de Santo Cristo (sem tocar no quadro de Juan de Valdes Leal), uma intervenção para a qual estão a explorar formas de financiamento.
Jóia barroca Universal, que veio a Bergara em 1626, foi encomendado por Juan Perez de Irazabal, contador real, para presidir a capela que fora destinada para o seu enterro em São Pedro, e que nunca chegou a abrigar o seu corpo. Hoje, 35 anos após sua última saída (também em Sevilha em 1982), o Cristo da Agonia viajou sobre um caminhão adequado com todas as medidas de precaução necessárias. "Eu não posso passar de 90 km / hora," Prosseguiu Garduño antes de enfrentar uma viagem de mais de dez horas com o Crucificado, que ficará alguns meses longe de casa.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

A CONVERSÃO DE SÃO PAULO E O MISTÉRIO DO CAVALO

Quem disse que São Paulo caiu de um cavalo? Vamos ver como e por artistas medievais introduziram o cavalo (do qual as Escrituras não falam), impondo-o como os padrões iconográficos. Exceções, no entanto, não faltam.

Se pensamos na Conversão de São Paulo - episódio que a liturgia cristã celebra hoje - geralmente imaginamos um homem caindo de seu cavalo. Ainda assim, não havia nenhum cavalo: as Sagradas Escrituras apenas dizer que o santo "caiu no chão" durante uma viagem e não falar sobre cavalos. O cavalo é, portanto, uma invenção - ou uma dedução - da tradição artística medieval . Vamos ver o porquê.



A história que sabemos tudo: enquanto viajava para Damasco, onde ele foi para sair da permissão sinagoga para prender os cristãos, Paulo de Tarso foi cegado por um flash de repente apareceu do céu e caiu no chão . a voz de Deus, também ouviu os soldados que estavam a segui-lo, disse-lhe: "Saulo, Saulo, por que me persegues?". Saul se levantou da terra, mas havia perdido a visão (ele teria recuperado alguns dias mais tarde por cerca de Ananias).




A escolha de retratar o episódio como uma queda de um cavalo é bastante lógico: Paul estava viajando, e é plausível que você estava se deslocam a pé. Esse raciocínio levou os iluminadores e pintores dos primeiros séculos para introduzir o cavalo, que, desde então, estabeleceu-se como a iconografia "standard" da história da arte . Dependendo do caso, a conversão é mostrada como um evento dramático ...





... Ou como um evento de natureza mais reflexiva e espiritual . E, neste caso, o santo é nem mesmo associado.





Mas há outra explicação. De acordo com uma convenção medieval, o pecado original de orgulho foi representado como um cavaleiro que está desmontado : uma tradução visual, que aplicada perfeitamente à vida espiritual de Paulo de Tarso.



Apesar de o cavalo tem monopolizado a iconografia da conversão de Saulo, não há falta alguns artistas ousados consciente correção filológica. Aqui estão duas miniaturas que descrevem a queda do apóstolo como uma espécie de desmaio. E os cavalos: nenhum vestígio.





Fonte: Folia Magazine

Il restauro della Croce di Simone Martini della Misericordia di San Casciano.

Uma conferência dedicada ao restauro de uma obra de Simone Martini tão linda quanto pouco conhecida pelo grande público.































































Via Roma, 37 - Via Lucardesi, 10 - 50026 San Casciano in Val di Pesa (FI)

tel +39 055 8256380/1/2 - fax +39 055 8229920

e-mail: biblioteca@comune.san-casciano-val-di-pesa.fi.it


Fonte: Kunst.Appunti di storia dell'arte

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Pós de Restauro do Patrimônio arquitetônico e urbanistico



Restauro do Patrimônio Arquitetônico e Urbanístico

COORDENADORAProfª. Drª. Leila Regina Diegoli
CARGA HORÁRIA505 horas
INÍCIO11/03/2017
TÉRMINO30/06/2018
HORÁRIOSábado, das 9h às 13h e das 14h às 18h
MODALIDADE
Semi-presencial (14 horas serão desenvolvidas a distância)
INVESTIMENTO
18 parcelas de R$ 520
LOCALCampus Boqueirão
OBJETIVOS
• Formar profissionais para o mercado de trabalho, especialistas na proteção e preservação do patrimônio ambiental urbano.
• Formar especialistas para trabalhar na iniciativa privada ou em órgãos públicos.
• Capacitar profissionais graduados para a elaboração de pesquisas, perícias, consultorias, inventários e projetos e obras de restauro, conservação e modernização do patrimônio arquitetônico e conjuntos urbanos, por meio do conhecimento das teorias, leis, normas e procedimentos técnicos e científicos, nacionais e internacionais, bem como de metodologia específica para trabalhos necessários e imprescindíveis para a proteção dos bens culturais.
PÚBLICO-ALVO
Profissionais com curso superior que apresentam interesse sobre a pesquisa e a prática da preservação e proteção do chamado patrimônio ambiental urbano – principalmente arquitetos, engenheiros, historiadores, artistas plásticos, advogados, turismólogos, administradores, geógrafos e educadores. Poderá ser admitido o ingresso de alunos portadores de diploma de graduação de cursos tecnológicos.
COMPONENTES CURRICULARES DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA
Módulo 1: Teoria do Patrimônio Cultural
• Conceitos Básicos sobre Patrimônio Cultural
• Legislação de Salvaguarda do Patrimônio
• História da Arquitetura Tradicional Paulista
• Sistemas Construtivos da Arquitetura Brasileira
Módulo 2 – Investigação sobre o Patrimônio Arquitetônico e Urbanístico
• Pesquisa Histórica e Análise de Acervos
• Metodologia de Inventário do Patrimônio Ambiental Urbano
• Programas de Proteção e Valorização do Patrimônio
• Teoria e História do Restauro
• Metodologia de Projetos de Restauro I
• Arqueologia da Arquitetura
Módulo 3 – Intervenção no Patrimônio Arquitetônico e Urbanístico
• Patologia das Construções
• Metodologia de Projetos de Restauro II
• Tecnologia da Restauração
• Prática de Projetos e Intervenção no Patrimônio Arquitetônico e Urbanístico
COMPONENTES CURRICULARES DE FORMAÇÃO COMPLEMENTAR
Metodologia da Pesquisa
Seminários
Trabalho de Conclusão de Curso
CONTATO
Secretaria Acadêmica Campus Boqueirão
Telefones: (13) 3205-5555 – ramais 812/813
E-mail: secboqueirao@unisantos.br
Os cursos de Especialização/MBA da Católica de Santos atendem a normativa vigente sobre os Cursos de Pós-graduação Lato Sensu, a Resolução CNE-CES 1/2007, bem como as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação em Direitos Humanos e para a Educação Ambiental. Eles foram construídos em consonância com as novas políticas públicas nacionais para os Cursos de Pós-graduação Lato Sensu, que visam estabelecer um padrão superior de qualidade para a formação de especialistas.
BENEFÍCIOS (*)
• Bolsa Ex-aluno para Pós-Graduação Lato Sensu: 25% de desconto para ex-alunos da Católica de Santos (curso concluído).
• Bolsa Empresas Conveniadas: descontos variáveis para funcionários de empresas conveniadas.
• Bolsa Fidelização Familiar: 20% para cada familiar (cônjuges, pais e filhos, e irmãos) de estudantes ativos em cursos de graduação, especialização ou stricto sensu da Católica de Santos, concomitantemente, ou ainda, num desses e na educação básica do Liceu Santista, concomitantemente.
(*) O desconto não incide sobre a matrícula.
Observações• A Universidade se reserva o direito de alterar o cronograma e o corpo docente.
• Documentação necessária: cópias do RG, CPF, Certidão de Nascimento ou Casamento, diploma (autenticado), comprovante de residência, duas fotos 3×4 e Curriculum Vitae (resumido).
• A matrícula pode ser feita independentemente da entrega dos documentos, mas só será validada depois que eles forem apresentados.
• A inscrição presencial só poderá ser efetuada pelo interessado no curso, ou por pessoa munida de procuração autenticada em cartório.
• A efetivação da matrícula está condicionada ao pagamento do boleto da 1ª. parcela e entrega da documentação exigida.
• Antes do início do curso, o coordenador agendará reuniões (sem caráter seletivo) com cada aluno para exposição do programa e alinhamento do perfil do curso.

O Escultor de Fátima

Texto por Fr. Gabriel Gillen, OP/ por Fr. Hugh Vincent Dyer, OP

Fr. Thomas McGlynn, OP
Esculpindo Nossa Senhora de Fátima

O Sacerdote escultor de Fátima


Fátima esteve presente na minha imaginação por quase o tempo que me lembro. Eu cresci em Albany, NY, nos anos 80. Albany é o lugar onde Pe. Patrick Peyton CSC começou seu apostolado da Cruzada do Rosário Familiar. Ele tinha dois grandes ditos: "A família que reza juntos permanece unida" e "Um mundo em oração é um mundo em paz". Essa oração é o rosário. No meu bairro, havia uma mulher de fé, a Sra. Giminiani, que promovia a mensagem de Fátima e encorajava outros a rezarem o rosário para conversão.

No ano passado eu encontrei um livro sobre as aparições marianas, que referenciou à um livro raro autorizado sobre as visões de Fátima, escrito pelo Fr. Thomas McGlynn, OP, liguei para o bibliotecário da Casa Dominicana de Estudos, Pe. John Martin Ruiz, OP, para localizar uma cópia do livro de McGlynn sobre Fátima, eu também pedi a ele para lê-lo. Ambos lemos o livro com prazer: McGlynn relata seu encontro e acesso privilegiado à última vidente sobrevivente, Irmã Lúcia, e como ela deu direção enquanto esculpia Nossa Senhora de Fátima. Sua estátua fica, centrada, acima da entrada para a basílica em Fátima, onde é visto por centenas de milhares de peregrinos a cada ano.

O livro Visões de Fátima é mais do que um livro de viagens agradável, Fr. McGlynn nos lembra que Fátima, como Caná, é um lugar de milagres. Ele também nos aponta para o caráter penitencial da mensagem de Maria. A penitência busca justiça e comunhão com Jesus crucificado. A oração do rosário é uma oração pela qual crescemos nas virtudes do coração contemplativo de Maria. Fátima tem sido uma motivação para a oração e o trabalho do Fr. McGlynn ajuda essa motivação. Seu livro é novamente um presente a Nossa Senhora de Fátima neste ano centenário das aparições.

***

Quem foi Fr. Thomas McGlynn, OP:



O artistaMcglynn

Thomas McGlynn fez sua primeira escultura com a idade de quatro anos. Ele cultivou seu talento artístico até a idade de dezenove anos quando ele entrou na vida religiosa dominicana e começou seus estudos para o sacerdócio. Ele intercalou esses anos de estudo com o trabalho criativo e, mais tarde, como padre, ele continuou a combinar o trabalho apostólico com esforços criativos. Ele era o primeiro sacerdote: quando as responsabilidades apostólicas se apresentavam, ele se entregou de todo o coração a eles. Pouca escultura foi feita durante tais épocas porque nunca considerou seu trabalho artístico para ser um mero passatempo ou uma forma de recreação. Ele deu a sua escultura a mesma atenção que ele deu a sua obra apostólica.

Como religioso cuja obra apostólica foi guiada por seus superiores religiosos, nunca solicitou um apostolado artístico. Quando ele foi colocado em tal apostolado, porém, o fez com todo o seu espírito criativo e exigiu intransigentemente as condições necessárias para realizar tal apostolado. Tais exigências nem sempre foram gentilmente recebidas, pois, como a maioria dos artistas, ele nem sempre foi compreendido nem plenamente apreciado. Seus 45 anos no sacerdócio, portanto, foram anos de constante integração do impulso artístico e da missão sacerdotal. Anos antes, ele havia concluído que era muito mais importante celebrar a Missa e trabalhar como um padre do que ser um artista, e assim ele não tinha conflito com a sua verdadeira vocação. No entanto, ele às vezes achava difícil integrar seu trabalho criativo ao seu trabalho sacerdotal, pois experimentou as inevitáveis ​​tensões entre seu senso de "dever" e seu impulso artístico. Sua importância para nós é o fato de que ele conseguiu integrar com sucesso essas reivindicações, muitas vezes concorrentes, sobre sua vida.

Thomas McGlynn era um homem de visão. Embora suas esculturas lidam com assuntos realistas, uma leitura de seu manuscrito inacabado de 1950 sobre arte moderna, "Cube and Cross", mostra claramente que ele entendeu bem o valor do movimento de arte moderna. Ele defendeu a experimentação artística moderna com sua ênfase na forma e sua de-ênfase de assunto reconhecível. Ele creditou este movimento contemporâneo com a restauração de importância primordial para a forma em uma obra de arte. Mas ele também sustentou que o avanço da arte durante este período não impede o tema representacional para a expressão artística, um pluralismo que os críticos de arte dos anos 80 ainda reconhecem como válido.

Em 1966, Tom McGlynn escreveu para Margueritte Kimball, uma amiga que trabalhou no Cranbrook Academy em Bloomfield Hills, Michigan por vinte e seis anos, e disse: "Eu não mudei muito em trinta e cinco anos. Ainda acho a realidade perceptiva interessante e bastante compatível com a forma estimulante". Ele acreditava que ele era um artista moderno, trabalhando em seu próprio idioma pessoal. Ele nunca se desculpou por esse idioma e não sentiu necessidade de mudar. Todo seu trabalho de arte foi feito neste estilo, pois era válido para suas necessidades criativas e insights. Sua lealdade aos seus ideais artísticos faz com que ele se destaque como um artista de integridade durante um tempo em que muitos artistas pareciam mais interessados ​​em atender aos caprichos do mercado de arte. Era preciso aceitar Tom McGlynn em seu nível artístico ou não. Certamente ele não pediu desculpas pelo seu trabalho; Ele permaneceu, e está, em seus próprios termos.

Seu ministério apostólico claramente manifesta que ele era um visionário trabalhando por causas que estavam verdadeiramente à frente de seu tempo. Em 1937 ele aplicou sua habilidade escultórica a uma obra de misericórdia, a fabricação de membros artificiais para várias vítimas de acidentes. Este trabalho suscitou grande interesse entre as empresas que fabricavam peças artificiais, bem como entre as empresas de borracha, cuja tecnologia emergente permitiu novos desenvolvimentos nesta área. Durante vários anos ele trabalhou com essas empresas na tentativa de formular um método barato para fazer membros artificiais, e sem dúvida seus próprios métodos foram uma faísca que levou a alguns desses desenvolvimentos.

O ano de 1938 encontrou-o em Chicago dirigindo um centro inter-racial para negros pobres e não alfabetizados. Ele assumiu uma postura impopular em defesa dessas vítimas da sociedade, e sua posição não foi bem recebida. Enviado de Chicago para uma paróquia em Louisiana, ele continuou a defender os direitos dos negros e a lutar contra a segregação. Essas experiências resultou em sua escrever a peça, Caukey , em que os brancos são minoria e os negros a maioria. Enquanto esta peça, que foi produzida na Broadway em 1944, recebeu críticas gentis dos críticos, que gerou controvérsia na América por causa de suas idéias inquietantes.

Westbrook Pegler, o conhecido colunista, mencionou a peça na sua coluna e elaborou as questões colocadas pela peça. Tom McGlynn estava atuando e falando sobre a questão racial em um momento em que não estava na moda para fazê-lo. Sua intenção não era nem ser polêmica nem de moda, mas sim dar testemunho da mensagem evangélica de amor, liberdade e justiça.

Embora a pena de morte tenha sido um tema debatido nos últimos anos, uma relação casual com um preso da cadeia da morte em uma prisão de Louisiana em 1949 levou Tom a se envolver pessoalmente com vários homens no corredor da morte durante um período de dois anos. Sua preocupação com esses homens incluiu visitas a suas famílias e correspondência com J. Edgar Hoover, diretor do FBI. Ele começou um livro sobre sua vida, Não é teu coração, que permanece como um manuscrito inacabado no Arquivo. Este manuscrito traça a vida destes homens. As próprias intenções de Tom nessa obra são expressas no resumo: "A necessidade da salvação e a avaliação de todas as coisas temporais em relação à eternidade, espera-se, se destacarão claramente em um contexto de incerteza quanto às intenções, motivações e Destino final dos envolvidos. O leitor deve adquirir a sensação de que, por mais que ele pode estar sujeito a alterações na luta perceptual do bem e do mal, como eram os personagens do livro, os princípios que regem a vida e a morte são imutáveis ". ( Não é o Teu Coração . Summary , Página 9)

Quando chegou a Pietrasanta, Itália, em 1956, Tom logo descobriu que ninguém estava atendendo às necessidades espirituais dos prisioneiros na pequena prisão da cidade. Durante doze anos atuou como seu capelão não oficial, celebrando missa duas vezes por semana, até que a prisão foi fechada. Os principais jornais italianos publicaram a história de seu ofício no casamento de um dos prisioneiros na capela da prisão. 1977 estava na sua máquina de escrever afim de pedir ao regulador Byrne de New-jersey que vetasse a legislação para restabelecer a pena de morte no estado. Embora esta carta possa parecer um pequeno assunto, ela reflete a preocupação de Tom McGlynn com a vida dos prisioneiros e seus direitos.

Seu sentimento de preocupação social foi provocado mais uma vez pela inundação desastrosa que atingiu Florença, Itália em 1966. Ele e Harry Jackson, outro escultor americano residente em Pietrasanta, formaram um programa de alívio para ajudar as vítimas da inundação. Não só eles coletaram e distribuiram dinheiro e suprimentos, mas eles também ajudaram pessoalmente na limpeza da cidade.

Apesar de ser um crente em uma guerra justa, Tom McGlynn era um defensor da paz. Como padre da Igreja de Santa Helena em Amite, Louisiana durante a Segunda Guerra Mundial, ele compôs três orações, uma para aqueles nas Forças Armadas, uma para a Vitória, presumindo que estávamos engajados em uma guerra justa, e um para os nossos Inimigos.

Ele estava profundamente consciente de que nossos inimigos também são dignos de nosso amor e amor de Deus. Pessoalmente perturbado por pessoas que falavam de forma depreciativa sobre os alemães e japoneses, ele tentou corrigir tais atitudes por meio de sua pregação. Na idade de sessenta e um, ele e um sobrinho empreenderam uma peregrinação para a penitência e a paz. Eles caminharam mil e seiscentas milhas de Roma para Fátima, Portugal, para o Santuário dedicado à paz mundial. Esta caminhada levou três meses e eles chegaram 12 de maio de 1967, a noite do Dia da Festa do Santuário. Poucas marchas pela paz têm sido tão longas, tão difíceis e tão pouco glamourosas.

Seus últimos anos o encontraram defendendo os direitos dos não nascidos por meio de sua escrita e pregação. Alarmado com a atitude casual da sociedade em relação à vida e à morte dessas inocentes vítimas, compôs um poema, impresso em vários jornais americanos, que expressava a injustiça da sociedade em relação a essas almas. Sem dúvida, tanto como pessoa como como sacerdote, Tom McGlynn estava bem à frente de seu tempo no apostolado social.

Thomas McGlynn era um homem de grande charme e inteligência, uma alma magnética que deixou uma impressão duradoura sobre aqueles que tinham o privilégio de conhecê-lo. Suas muitas qualidades pessoais combinadas com suas habilidades criativas conduziram-no ao círculo de muitas das personalidades criativas as mais famosas de seu período. Jacques Lipchitz era um amigo devotado e querido como Thomas Hart Benton. Ele falava sua língua e estava completamente em casa com eles. Mas ele era tão amigável, amável e amoroso com as almas mais simples. Em Pietrasanta, não era incomum encontrá-lo respondendo a sua porta para fornecer a necessidade material aos pobres. Havia uma família, em particular, que ele cuidava espiritual e materialmente de sua própria pobreza. Todas as pessoas eram iguais aos seus olhos e todos eram merecedores do seu tempo e talentos. Ele ouviu a mensagem de Cristo "amar os inimigos, alimentar os famintos, vestir os nus, visitar os enfermos e os que estão na prisão" e Tom agiu de acordo com as palavras de nosso Senhor.

Este texto é oferecido como livreto ao público, para que eles possam entender Thomas McGlynn como uma pessoa total, humana, artística e sacerdotal. Os dominicanos devem ser encorajados, pela vida de McGlynn, a pregar com zelo e criatividade a Palavra.






segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Novo Site dos Museus do Vaticano

Barbara Jatta, nova diretora dos Museus. (veja mais aqui)


© ANSA


(ANSA) - Roma, 20 de janeiro - 

"Eu sinto o peso da responsabilidade, do que as coisas extraordinárias que o meu predecessor, prof Paolucci, tem feito nos últimos anos, mas não intimidada por isso... espero continuar o excelente trabalho com iniciativas de gestão e dar um novo impulso aos Museus através das minhas ideias e encorajamento que recebo de meus colegas"

Barbara Jatta, a nova diretora dos Museus do Vaticano, disse à Rádio Vaticano, com quais idéias e objetivos assumiu o papel de prestígio. "Os museus são lugares nascidos como espaços elitistas de fruição da arte - disse ela -. Mas hoje, lugares, felizmente, se tornaram lugares onde milhões de visitantes chegam. Já na abertura, segunda-feira 23 de janeiro de nosso novo Web site, vai para este sentido. Queremos chegar em casas, em computadores, em todo o mundo, mas não só com a nossa oferta turística; oferecendo também o que somos, as obras que possuímos, nossas coleções exclusivas, e também nossas atividades educacionais, desde tanto em museus ou através do site".

Fonte:ANSA

domingo, 22 de janeiro de 2017

10 Igrejas em São Paulo para visitar nas férias






As férias de janeiro podem ser uma ótima oportunidade para você conhecer igrejas importantes da cidade de São Paulo.

Só no centro da capital paulista é possível visitar diversos templos que tem importância e grande significado sob os pontos de vista arquitetônico, histórico, cultural e artístico. Além disso, é claro, em cada uma dessas igrejas é possível renovar sua fé e sentir que Deus habita esta cidade imensa e tem amor pelo seu povo, como dizia a oração pelo centenário de criação da Arquidiocese de São Paulo (celebrado em 2008).

Confira a seleção de Igrejas que o Portal Arquisp indica para você conhecer nas férias:


Catedral da Sé

Inaugurada em 25 de janeiro de 1954, por ocasião das comemorações do IV centenário de fundação da cidade de São Paulo. O estilo neogótico da Catedral é considerado peculiar, com seu aspecto eclético em estilos arquitetônicos. Nas colunas alçadas a 70 metros de altura, encontram-se elementos típicos da fauna e da flora brasileiras, como ramos de café, o tamanduá-bandeira, o tatu-bola, a coruja contrastando com grandes personagens do século XX, da história da Catedral e da história universal.

Na Catedral, você também pode visitar a cripta – capela subterrânea localizado localizada logo abaixo do altar principal. Inaugurada em 1919, contém 30 câmaras mortuárias destinadas a guardar os sarcófagos dos bispos e arcebispos, além de guardar os restos mortais do cacique Tibiriçá, o primeiro cidadão de Piratininga, do padre Feijó, Regente do Império, e recentemente do Cardeal Paulo Evaristo Arns, que foi “Defensor dos pobres, marginalizados” (como destacou o Papa Francisco, em carta para a Arquidiocese de São Paulo por ocasião da morte do Cardeal).
Serviço:

Endereço: Praça da Sé - Sé, São Paulo
Horário de funcionamento: De segunda a sexta-feira e domingo das 7h30 às 18h30 e aos sábados 7h30 às 17h
Missas: De segunda a sexta-feira às 12h e 17h - 9h (Às segundas e sextas feiras) | Sábado: 12h | Domingo: 09h, 11h e 17h
Visitação à Cripta: De segunda a sexta-feira das 9h30 às 17h.

Site: www.arquisp.org.br/regiaose/paroquias/mosteiros-igrejas-historicas-oratorios-da-regiao-se/catedral-metropolitana-nossa-senhora-assuncao-e-sao-paulo-se



Pateo do Collegio

A cidade de São Paulo nasceu em torno do colégio de Piratininga, com a chegada da missão dos jesuítas em 1554. No local onde estava construído o colégio, hoje há uma pequena igreja dedicada a São José de Anchieta, um dos fundadores da cidade. A capela, reconstruída na década de 1980, tem uma relíquia exposta de Anchieta.

No conjunto, também é possível conhecer o Museu Anchieta – que tem um acervo “predominantemente composto de peças de arte sacra que remetem à vida social paulistana intrinsecamente ligada a religiosidade dos primórdios da cidade”, e o Café do Pateo – que serve o café pessegueiro, “produto paulista, cultivado na fazenda que dá nome a bebida na região mogiana desde 1870”.
Serviço:

Endereço: Largo Pátio do Colégio, 34, Centro
Horário de funcionamento da igreja, museu e café é de terça-feira a domingo das 9h às 16h30.
Missas: De terças as sextas-feiras às 12h e aos domingos às 10h.
Site: www.pateodocollegio.com.br



Mosteiro de São Bento

Cenário que ficou famoso com as bênçãos dos Papa Bento XVI na sacada da faculdade, a construção da Basílica tem estilo da escola artística de Beuron, projeto de Richard Berndl – Professor da Universidade de Munique e um dos melhores arquitetos da Alemanha. A decoração interna, os afrescos e murais são de autoria e execução do monge beneditino holandês Dom Adelbert Gresnicht.

No local, é possível participar de missas com cantos gregorianos, acompanhados do som de um grande órgão de tubos.

Outra grande atração é a lojinha, com pães, bolos, doces, biscoitos e geleias feitas pelos próprios monges e cujas receitas são seculares, guardadas há muito no arquivo da abadia. A forma de preparar os quitutes só é transmitida a um outro monge para não se perder a qualidade com a massificação.
Serviço:

Endereço: Largo de São Bento, s/n - Centro, São Paulo
Horário de funcionamento: 6h às 18h30
Missas: Todos os dias, de segunda à sexta às 7h, aos sábados às 6h e no domingo às 10h
Site: mosteiro.org.br


Santuário e Igreja da ordem terceira - Largo São Francisco

O Convento de São Francisco foi instalado ainda na vila de São Paulo, durante o período do Brasil colonial. No século XIX, o convento foi convertido em Faculdade de Direito, mas o Santuário São Francisco ainda existe e faz você viajar para um Brasil do passado, com sua arquitetura mais barroca.

Ao lado do santuário, você também pode conhecer a Igreja de São Francisco das Chagas, levantada pela Ordem Terceira de São Francisco. A igreja foi tombada como patrimônio histórico de São Paulo em 1982 e é considerada uma das mais importantes obras do século XVIII. A construção original foi feita em estilo barroco-rococó, com o projeto arquitetônico assinado por Frei Galvão. Ela foi reaberta em 2014, após 7 anos de restauro.
Serviço:

Endereço: Largo São Francisco, 133 – Centro
Horário de funcionamento: 8h30 às 17h30
Missas: Segunda-feira 7h30, 12h00

Terça-feira a Sábado: 7h30, 10h30, 12h00, 15h00 e 18h00

Domingo: 7h30, 9h00, 10h30, 12h00 e 18h00

Todo dia 25 de cada mês – Missa de Frei Galvão 10h30 e 15h00

Terça-feira - Bênção e distribuição do Pão de Santo Antônio

Quinta-feira - Bênção do Santíssimo – 15h

Site: www.conventosaofrancisco.com.br


Igreja das Chagas do Seráfico Pai São Francisco
Serviço:

Endereço: Largo São Francisco, 173, Sé

Missas: No 1º e 3º Domingo do mês às 9h;

Horário de funcionamento:
Segunda a sexta-feira 9h às 17h
Sábado: 9h às 13h
Site: arquisp.org.br/regiaose/paroquias/mosteiros-igrejas-historicas-oratorios-da-regiao-se/igreja-das-chagas-do-seraphico-pai-sao-francisco



Igreja Nossa Senhora da Consolação

Construída em 1909 a Igreja Nossa Senhora da Consolação é marcada por missas histórica e foi usada como Catedral no período em que a Sé ficou fechada para reformas – entre 1999 e 2002. Com uma torre gótica de 75 metros e um estilo totalmente neo – romântico, a paróquia tem obras de Benedito Calixto e de Oscar Pereira da Silva.
Serviço:

Endereço: R. da Consolação, 585 - Centro, São Paulo – SP
Horário de funcionamento: Das 7h30 às 20h
Missas: De segunda a sexta-feira às 07h, 12h05, 18h e 19h
Sábado: 08h, 12h e 18h
Domingo:08h, 10h, 12h, 18h e 20:00
Site: arquisp.org.br/regiaose/paroquias/paroquia-nossa-senhora-da-consolacao/matriz-paroquial-nossa-senhora-da-consolacao


Mosteiro da Luz

Principal obra colonial de São Paulo, o Mosteiro da Luz é considerado pela Unesco “Patrimônio Cultural da Humanidade” e é um dos únicos edifícios em taipa de pilão ainda em pé no Estado de São Paulo.

Na capela pública do Mosteiro, é possível rezar diante do túmulo de Frei Galvão (primeiro santo brasileiro e desenhista do projeto do Mosteiro).

No local, também é possível pegar as pílulas milagrosas, preparadas desde a época do santo pelas Irmãs Concepcionistas.

Ainda no terreno do Mosteiro, é possível conhecer o Museu de Arte Sacra de São Paulo – mantido por uma parceria entre a Arquidiocese de São Paulo e o Governo do Estado. No acervo, estão peças importantes ligadas à vida da Igreja na cidade, como os objetos sacros usados durante o IV Congresso Eucarístico Nacional, realizado em São Paulo no ano de 1942.
Serviço:

Endereço: Avenida Tiradentes, 676 - Luz - Centro - São Paulo. (Acesso pelo metrô São Bento).
Horário de funcionamento: Das 7h às 16h30.
Horário das missas no mosteiro: Das 7h às 16h. Missas: de segunda a sexta, às 7h; sábado, às 8h e às 16h; e domingo, às 8h, 10h30 e às 16h. E em todo os dias 23, 24 e 25 de cada mês tem missas em honra a Frei Galvão às 7h e 16h
Horário de distribuição das pílulas: De segunda a sexta-feira das 8h30 às 11h e das 14h30 às 16h45, aos sábados e domingos após a missa das 8h às 16h.
Horário de funcionamento do museu de arte sacra: Terça a Domingo - 9:00 às 17:00

Ingresso:
Sábado: gratuito
Demais dias: R$ 6,00 (estudantes pagam meia)
Isentos: idosos acima de 60 anos; crianças até 7 anos; professores da rede pública (com identificação) e até 4 acompanhantes.

Mais informações entre nos site do MAS: http://www.museuartesacra.org.br/pt/

Site: mosteirodaluz.org.br


Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos

Localizada no Largo do Paissandu, a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos possui um histórico importante para a cidade de São Paulo, sendo a terceira comunidade mais antiga do Brasil.

Construída no período colonial, a Igreja abriu as portas e deu oportunidade aos negros para frequentar o seu espaço. Apresentando uma diversidade de detalhes nas pinturas das paredes, vestimentas e rebuscando ainda a essência de anos atrás, o ambiente busca dar apoio a quem necessita e conta até os dias atuais com o auxílio da Irmandade Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.
Serviço:

Endereço: Largo do Paissandu, s/nº, Centro
Horário de funcionamento: De segunda a sexta das 7h às 19h e domingo às 7h às 12h
Missas: De segunda a sexta-feira às 07h30, 08h30 e 18h, aos domingos, 07h30, 09h e 10h30.
Site: arquisp.org.br/regiaose/paroquias/mosteiros-igrejas-historicas-oratorios-da-regiao-se/igreja-nossa-senhora-do-rosario-dos-homens-pretos


Igreja da Boa Morte

A Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte se formou em 1728, tendo como principal característica admitir pessoas de todas as classes sociais, sem distinção. Em 1802, adquiriu de Joaquim de Sousa Ferreira um terreno na Rua do Carmo, onde construiu a igreja, inaugurada no dia 14/8/1810.

Em 2009, um ano antes de completar 200 anos, foi reaberta após uma longa restauração. Durante o processo de restauro, foi encontrada uma pintura barroca representando a Coroação da Virgem Maria que estava escondida sob camadas de tinta cinza, em tábuas do forro de madeira sobre o altar.

Site: webmisericordia.wordpress.com/tag/igreja-da-boa-morte/
Serviço:

Endereço: Rua do Carmo, 202, Centro
Horário de funcionamento: Aberta 24h
Missas: De segunda a sexta-feira às 18h, sexta-feira 12h, aos sábados 15h e aos domingos 10h e 18h



Basílica Nossa Senhora do Carmo
Os Carmelitas começaram a sua fundação em São Paulo no ano de 1594, com Frei Antônio de São Paulo, que ergueu uma pequena Igreja.

Era o humilde começo do que seria em séculos posteriores a bonita Igreja do Carmo e o grande Convento da Ladeira do Carmo, na esquina da Rua do Carmo, atualmente Avenida Rangel Pestana.

Sua arquitetura filia-se a um movimento que buscava, na tradição colonial brasileira, os componentes para a sua expressão.
Serviço:

Endereço: Rua Martiniano de Carvalho, 114, Bela Vista
Horário de funcionamento: Das 8h às 21h
Missas:
2ª feira às 19h
De 3ª, 4ª, 5ª e 6ª feira: 12h15
Sábado: 7h15 e 16h00
Domingo: 7h30, 9h, 11h e 18h30
Site: http://www.basilicadocarmo.com.br



Igreja Santo Antônio do Patriarca

O interior da Igreja de Santo Antônio conserva importantes testemunhos da arte produzida em São Paulo no período colonial. Durante a restauração levada a cabo em 2005, descobriu-se no forro do altar-mor pinturas murais seiscentistas de alta qualidade técnica e artística, as mais antigas de que se tem notícia em São Paulo.

Também o altar principal, executado em 1780, é um belo exemplar da talha barroca. A igreja é tombada pelo poder público estadual (Condephaat) desde 1970, em virtude de sua importância histórica, artística e arquitetônica.
Serviço:

Endereço: Praça do Patriarca, 49, Sé.
Horário de funcionamento: Das 7h às 18h30
Missas: De segunda a sexta-feira 07h30, 09h, 12h e 18h
Terça-feira às 16h
Sábado 07h30, 09h e 18h
Domingo 09h e 18h
Site:www.arquisp.org.br/regiaose/paroquias/mosteiros-igrejas-historicas-oratorios-da-regiao-se/igreja-santo-antonio-patriarca

Redação: Larissa Freitas, Millena Guimarães - Edição do Texto: Rafael Alberto

sábado, 21 de janeiro de 2017

Aniversário do Pateo do Collegio

No dia 25 de Janeiro, o Pateo do Collegio completa 463 anos e você está convidado a comemorar conosco!
Confira abaixo a nossa programação:
22/01, Domingo, às 10h00 – Celebração da Eucaristia, seguida de Concerto de Órgão, Trompetes e participação da Schola Cantorum do Pateo do Collegio
25/01, Quarta-feira, às 10h00 – Visita guiada ao Museu Anchieta (vagas limitadas)
25/01, Quarta-feira, às 10h00 – Apresentação de músicas raiz, voz e Acordeon


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...